Umbigo de Eros

Te convido para sentar no sofá vermelho de Eros... Vamos escarafunchar os Umbigos!

Logo no meu primeiro dia de praia, ainda estendendo a canga (que percebi rasgada!), vejo passar uma ambulante. Quando dei por mim, ela já estava na minha frente e eu já havia comprado uma canga nova! Detectar e resolver um problema nunca me foi tão rápido. E a mágica da vida, do cérebro, da subjetividade que cria realidades, vai se fazendo presente...


Digo que sou de Brasília e ela abre um sorrisão pra mim. Me diz que veio de lá há 30 anos e nunca mais voltou, mas morre de saudades de Sobradinho, onde vivia... Tomada de nostalgia, eu acho, ela me abraçou forte, forte mesmo. O Rio me dando boas vindas... Pediu que eu anotasse seu telefone: “Assim, quando você vier ao Rio, fica na minha casa, e não paga hotel!”. Cida ainda me contou que quer largar o trabalho na praia, que não aguenta mais andar de baixo do sol, e que está fazendo um curso de manicure pra sair dessa vida... Ah, e vai estar vendendo caipirinha em Copacabana no Reveillon.

Em sânscrito, a palavra Daya, se aplica tanto à compaixão quanto à simpatia. Vivemos Daya, eu e Cida...

Estar longe de casa, ou melhor, da vida social, profissional e cotidiana que construí em Brasília, é sempre uma experiência grandiosa. Primeiro porque me deixa mais disponível pro Outro e segundo porque traz um distanciamento, físico e crítico, revelador. Me vejo longe de pessoas queridas e situações, e tenho a sensação de estar desacoplada delas, solta, livre, embora me sinta junto. Uma onda de ar puro me toma e joga uma carga de vitaminas nas glias (“cola” em grego) que costuram minhas relações. Na verdade o termo vem sendo usado pra falar das bilhões de células-guia que envolvem as células cerebrais para que se mantenham em seu lugar. Por muito tempo foram consideradas sem importância maior pro cérebro. Hoje, a função secreta da glia se mostra um espetáculo fascinante que vale a pena estudar. Numa licença poético-científica nós somos os neurônios, que, quando colocados distantes, abrem maior espaço pra cola que nos liga, ampliando-a e fortalecendo-a, e consequentemente, a própria relação. É, quem viaja, viaja...

Sem compromissos, sem amigos, sem trabalho e com uma agenda livre a ser preenchida (ou não), viajo na vida alheia. Viajo no jeitão carioca de ser, na dinâmica da cidade e num jeito de viver completamente diferente do meu – o que me lembra das tantas possibilidades que a vida oferece... É bonito ver as diferenças, que já começam na paisagem: o mar azul sempre ali, as montanhas desenhando sinuosas formas no horizonte e gente, gente de todos os jeitos, caminhando nas ruas, o tempo todo. Certamente a paisagem influencia na dinâmica das pessoas, que pelo contato direto com tanta natureza, se fazem mais livres, conjecturo.

E há peculiaridades, como em toda cidade. O clima de Ipanema, por exemplo, é bem diferente do de Copacabana. E em cada praia, mais detalhes: No Posto 9 fica um tipo de galera, totalmente diferente das do Posto 8 ou do Posto 7, e assim por diante. É bom saber qual a vibe que você quer encarar, pra se colocar no lugar certo (ou não). Optar pelo aleatorismo, aqui ou em qualquer lugar, pode ser opção interessante também. A agenda cultural da cidade não me chama tanto a atenção quanto em São Paulo, não por falta de opção, mas porque a rua e a praia chamam muito mais. O Sol é meu rei e o dia me rege! Estamos no verão, é bom lembrar, época do ano onde me sinto mais bonita. (Na primavera, mais feliz. No outono, mais quieta e no inverno mais irritada e feiosa). Sou solar, fazeoquê?

Os sons da cidade são música pra mim. O eco do som dos carros e ônibus por entre os prédios com o som do mar e da praia ao fundo... Na praia é a mesma sensação com estilo diferente: a cantoria dos ambulantes, as ondas quebrando, crianças brincando, gente conversando em sotaques e línguas mil... O dia é uma festa e outras festas não me interessam. Bom, as particulares até encaro... Mas essa é uma outra história...

Reencontrar num outro cenário alguém de cenário antigo é também experiência mui loca. Realmente o ambiente interfere no jeito de ser e, sem querer, vou pescando o que é volátil e o que é estrutural, principalmente em mim. Tem sido bem estrutural essa mudança de paradigma onde fé, poder de transformação e o funcionamento do cérebro se mostram a mesma coisa. Ao estudar o percurso das glias, leio que elas servem de guias para as células cerebrais, como também podem se transformar numa delas. Não há como não ver aí uma viagem espiritual: Células-tronco sendo guiadas para seus respectivos lugares por uma inteligência superior, e que vão adquirindo sabedoria ao longo do caminho...

Sigo encantada com as novas descobertas da neurociência e da física quântica. Especialmente por sua aplicabilidade na vida cotidiana. Só mesmo fazendo alguns exercícios pra sentir seu poder! Do jeito que está, o cérebro é o grande obstáculo pra alma. Urge tirá-lo de seu funcionamento limitado e expandi-lo rumo as suas milhões e inexploradas possibilidades. Em sânscrito, a orientação interior que modela nossa vida é chamada Upaguru, “o mestre que está perto”. Ou seja, nós somos nossos mestres, guardamos as perguntas e as respostas aqui dentro. Mas com o cérebro entupido de ideias limitadas, fica difícil até fazer a pergunta certa, quanto mais ouvir a resposta. Se é a consciência que nos orienta, a alma é a consciência em sua forma mais ampliada... Permitir que nos guie é o caminho, possível e cada vez mais viável. Estamos sendo preparados para um upgrade de consciência há tempos. Quem sabe faz a hora! Pra mim, foi esse o fim (início!) do mundo do dia 21/12, um momento de ruptura com um modo de pensar e agir limitado, abrindo espaço prum novo mundo dentro/fora de nós...

Hoje é véspera de Natal. Desejo que uma consciência mais elevada como a de Cristo, Buda e tantos outros, nos banhe. Temos esse potencial. E atire a primeira pedra quem já não o sentiu. É bem real e transformador, mas não estamos acostumamos a sustentar nossa própria graça divina... Recomendo a leitura de “Criatividade Quântica”, de Amit Goswami...

Dedico este texto a Juli, uma buscadora como eu e tantas outras, e com a qual compartilhei e ouvi segredos, do fundo de nossas almas femininas... De novo, Daya, empatia e compaixão, pelas experiências semelhantes que vivemos e que abalaram o corpo-fêmea que habitamos nos fazendo crescer... E a ciranda das mulheres especiais na minha vida vai engrossando o caldo, desde a Califórnia, passando por Tambaba, na Paraíba, Pernambuco, Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília, Goiás, Mato Grosso... Gracias a la vida, essa, feita de encontros!

Um ótimo início de mundo pra todos nós!

Namastê

Anasha
Rio, 24/12/2012 

2 palpites:

Marilia Librandi-Rocha disse...

Boa!!!! E boa vibrancy de voce pra Ca-lifornia!!! Beijos do mar do Pacifico proce :)) marilia

Juli Mariano disse...

Anasha, Anasha...o que dizer? você foi a pessoa certa na hora e lugares certos. Você é. Eu me abri ao desconhecido e me coloquei a mercê do que nos rege para que novos caminhos se abrissem diante desta andarilha sedenta dos aprendizados da caminhada e as vesperas de uma virada de ano aqui está voce pra me ajudar a ver novos caminhos. Que bom que, como disse Caetano: "voce está, você é, você vai, você quer, você tem!"
Grande beijo querida!
Sintonia fina daqui por diante